Pesquisar produto

Esgotado

História do repouso

Ref.:0010070000173

Esgotado
Entrega no dia útil seguinte!

16,60 IVA inc.

Ficha Técnica

Título: História do Repouso
Autor: Alain Corbin
Ano de edição ou reimpressão: 2023
Editora: Quetzal Editores
Idioma: Português
Dimensões: 142 x 212 x 13 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 136
Peso: 210g
ISBN: 9789897229084

Sinopse

O descanso não é sono, nem imobilidade, nem uma solução para a fadiga – mas um momento em que o ser humano se reconstrói, caminha, esquece, encontra um lugar apenas seu.

Durante muito tempo o repouso foi relegado para a «vida eterna», depois da morte e de um destino obediente e conformado. Mas tudo mudou com o século XIX, tornando-se também uma necessidade terapêutica – e um convite ao lazer, com a sua indústria organizada e lucrativa.

Nos dias de hoje, o tempo de lazer ocupa o tempo livre, invade o espaço humano, cria novas formas de dependência e de cumprimento de horários. Erradamente, não falamos mais de descanso, mas de momentos de relaxamento, diversão e evasão, o que equivale a substituir a fadiga por mais tensão, mais tarefas, mais disciplina e mais consumo.

Alain Corbin, um dos investigadores mais originais de hoje (publicou livros sobre a história do silêncio, da erva fresca, da sombra, da ignorância, dos sinos ou da relação com o mar e o céu), convida-nos a refletir sobre a nossa relação com o trabalho, com a fadiga e com o tempo que temos disponível para viver.

Sobre o autor

Alain Corbain nasceu na Normandia em 1936 e foi professor das Universidade de Tours e da Sorbonne, em Paris tendo-se dedicado especialmente ao século XIX.

É um dos grandes mestres da «história das representações e das sensibilidades» e as suas obras mais dedicam-se ao estudo do desejo, da paisagem, do silêncio (Histoire du silence: de la Renaissance à nos jours), da ignorância (Terra incognita: une histoire de l’ignorance), da relação com o mar e o céu (La Mer: terreur et fascination) ou da paixão pelo vento e pela meteorologia.

Também pode gostar…

Voltar ao topo