PESQUISAR

Novidade

Não façam mal a nenhum destes pequeninos

REF.:0010110000382

2 em stock
Entrega no dia útil seguinte!

9,75 IVA inc.

Quantidade

Ficha Técnica

Título: Não façam mal a nenhum destes pequeninos
Autor: Bento XVI
Ano de edição ou reimpressão: 2019
Editora: Lucerna
Idioma: Português
Dimensões: 145 x 230 x 7 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 96
Peso: 175g
ISBN: 9789898809797

Sinopse

Dois grandes pontífices assumem como seu o sofrimento dos mais pequenos e de todo o povo de Deus, tomam-no sobre os ombros, intervêm nas suas respetivas responsabilidades pastorais, interpretam em profundidade, segundo a fé, estes acontecimentos.

Tendo trabalhado ao serviço de ambos, posso atestar que, através destas vicissitudes, eles vivem diante de Deus o seu serviço à Igreja e à Humanidade, dando-nos um testemunho exemplar de amor pelos mais pequenos, de humildade, de paciência, de coragem, de verdade, de amor pela justiça. Com a graça de Deus e a orientação dos dois pontífices, que o Senhor possa ajudar a Sua Igreja a purificar-se profundamente, para reencontrar plenamente a credibilidade na missão e a alegria do serviço aos mais pequeninos.

Sobre o autor

Joseph Ratzinger nasceu a 16 de abril de 1927 em Marktl-am-Inn, na Alemanha. Estudou línguas no liceu e em 1939 entrou num seminário em Traunstein, sendo o seu primeiro sinal rumo à fé. Com a II Guerra Mundial foi obrigado a interromper os estudos retomando-os em 1947 numa instituição teológica associada à Universidade de Munique. Em 1951 ele e o seu irmão foram ordenados padres pelo Cardeal Faulhaber. Em 1953 doutorou-se em teologia na Universidade de Munique passando a ser docente na Universidade de Bonn.

De 1962 a 1965 esteve presente enquanto conselheiro teológico na Assembleia do Concílio Vaticano II. De 1963 a 1969 foi professor nas Universidades de Münster e Regensburg. De 1969 a 1980 integrou a Comissão Internacional Teológica Holy See. Juntamente com Hans von Balthasar e Henry De Lubac entre outros, lançou o jornal Communio, uma publicação católica. Em 1977 foi eleito arcebispo de Munique e Freising pelo Papa Paulo VI. Ainda nesse ano foi ordenado pelo mesmo Papa Cardeal ficando titular da Igreja St Mary of Consolation.

Em 1981 tornou-se Prefeito para a Congregação da Doutrina da Fé e Presidente da Comissão Bíblica do Pontificado e ainda da Comissão Teológica Internacional. Publicou textos contra os “teólogos da libertação” da América Latina, impondo atitudes conservadoras sobre a homosexualidade e a procriação medicamente assistida.

Em 1992 publica uma obra sobre o catecismo universal da igreja católica, onde resume as posições doutrinais e disciplinares do catolicismo, revistas segundo critérios de ortodoxia romana. A 19 de abril de 2005 é eleito Papa.

Back to Top