PESQUISAR

Ditos e Feitos dos Padres do Deserto

REF.:0010120000031

3 em stock
Entrega no dia útil seguinte!

18,00 IVA inc.

Quantidade

Ficha Técnica

Título: Ditos e Feitos dos Padres do Deserto
Autor: Piero Draghi e Cristina Campo
Ano de edição ou reimpressão: 2004
Editora: Assírio & Alvim
Idioma: Português
Dimensões: 145 x 205 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 272
Peso: 352 g
ISBN: 9789723708486

Sinopse

«Os ditos e feitos dos Padres – Lógoi kaì erga, verba et dicta – foram recolhidos em todos os tempos com extrema piedade, porque eram quase sempre nozes duríssimas, intragáveis, por trazerem em si a totalidade da vida, impossíveis de partir com os dentes, como nas fábulas, no instante do perigo extremo, e além disso os Padres, na maior parte das vezes, recusavam-se a escrevê-los. Foram recolhidos em pergaminhos: gregos, coptas, arménios, siríacos. Nesses pergaminhos não foram perpetuados apenas os oráculos e os prodígios dos Padres e dos seus discípulos, mas também os de alguns leigos desconhecidos que secretamente praticavam os seus preceitos e, ainda que nas metrópoles que os Padres abominavam, foram algumas vezes mestres dos seus mestres.»

Sobre o autor

No ano de 1923 nasce em Bolonha Vittoria Guerrini, que virá a assinar a sua poesia como Cristina Campo. Amante da literatura, dedicou-se à tradução de alguns dos seus escritores favoritos como, por exemplo, Katherine Mansfield e William Carlos Williams. Em 1953, a escritora prepara uma antologia, “Il Libro delle 80 Poetesse”, que nunca chega a ser publicada. Três anos mais tarde, Cristina Campo vê o seu primeiro livro de poemas publicado, “O Passo do Adeus”. Em 1960 contacta com o escritor Elémire Zolla, e dessa relação surgirá o fascínio de Cristina pela temática religiosa. A sua obra refletirá as suas preocupações religiosas e a sua visão da poesia, que compara à liturgia. Durante muitos anos escreveu apenas ensaios, voltando a dedicar-se à poesia só no final da sua vida. Morreu em Roma no ano de 1977.

 

Back to Top